<$BlogRSDUrl$>

segunda-feira, agosto 30

Obrigado... 

... aos blogues que colocaram a mensagem "The World Says NO to Bush!" (ou semelhante) no topo das suas páginas: Welcome to Elsinore, Náuseas, K2O3, Textos e Cenas, The Serendipitous Cacophonies e a Aura do Dia (que fez o banner). A Natureza do Mal também promete ajudar em breve. As minhas desculpas se omiti alguém...

Com a resposta destes blogues fiquei mais optimista... Quanto mais penso no assunto, mais me parece provável que daqui até às eleições presidenciais de Novembro muitos blogues no mundo inteiro se enfeitem com slogans anti-Bush. É algo tão simples de fazer, uma simples frase que mostra que Bush não tem condições de ser presidente pois piorou dramaticamente a imagem dos Estados Unidos no mundo... Quanto mais cedo se começar, melhor. E se Portugal der o exemplo, pelo menos por uma vez seremos os primeiros a fazer algo de positivo!

As razões porque gosto de "World says NO to Bush!" são essencialmente as seguintes:
- é simples e directo ("Não a Bush!")
- gosto que a palavra "World" apareça no slogan: nós somos o resto do mundo, o que não vota para o presidente dos EUA mas que se vê afectado por ele. O "World" são as pessoas, mas também o planeta vivo que Bush anda a escavacar.

Ah, uma última nota: esqueçam os links ao nosso blogue e as citações, isso não é importante. Decorem os vossos blogues e passem palavra: isso sim, é útil.

quinta-feira, agosto 26

"Spreading the meme" 

É já no início da próxima semana que Bush será eleito candidato à Presidência dos Estados Unidos pelos republicanos, no que será o grande arranque da sua campanha. Essa altura será um marco importante que poderá ter um impacto fortemente negativo nas nossas vidas se Bush for reeleito.

Pela minha parte, imaginando um mundo cor-de-rosa, gostaria que as pessoas do mundo inteiro dissessem nesse dia: "The World Says NO to Bush!" (slogan de uma das campanhas anti-Bush que ocorrerão durante a convenção dos republicanos nesse dia).

Seria bonito se, por estes dias, uma boa parte dos blogues em todo o mundo mostrassem essa mensagem no topo das suas páginas, e que ela se espalhasse, à semelhança do meme das bandeiras de Portugal durante o Euro 2004. Podemos até sonhar e imaginar que, se tal acontecesse e fosse mediatizado, poderia ajudar o povo americano a compreender que Bush não tem condições para ser presidente da maior potência mundial.

Não tenho ilusões nenhumas de que tal irá acontecer. Nenhumas. Mas, independentemente do que os outros façam, sentir-me-ei um pouco melhor com a minha consciência se o fizer. Por isso, a ínfima parte de mundo que represento diz:

The World Says NO to Bush!


Aide Mémoire III 

Miguel Sousa Tavares (Público, 30/7/04) sobre Bush:

[...]George W. Bush fez tudo ao contrário [de Bill Clinton]. Retirou os Estados Unidos do Protocolo de Quioto, revogou as leis de protecção ambiental no território americano, permitiu a prospecção de petróleo no Alasca e, para justificar a sua política de agressão ambiental ao serviço da indústria, chegou ao ponto de mandar falsificar relatórios alarmantes sobre os níveis de poluição atmosférica na América e no mundo. Desceu os impostos para os mais ricos, justificando-o com a necessidade de criar empregos e, no final, criou mais dois milhões de desempregados. Pegou nos excedentes orçamentais que Clinton deixara e num ápice transformou-os no maior défice da história americana. Denunciou os acordos de desarmamento assinados com a Rússia, a adesão dos Estados Unidos ao TPI e a própria moratória nuclear. Não deu um único passo para prolongar e terminar os esforços de Clinton para um acordo de paz no Médio Oriente e, pelo contrário, deixou Israel em roda livre, o que é uma tomada de posição contra a paz. Declarou arrogantemente que os Estados Unidos não precisavam nem de aliados nem de umas Nações Unidas que lhes não fizessem a vontade em cada momento, mandou o seu secretário de Estado mentir ao Conselho de Segurança da ONU, inventando armas e ameaças que não existiam e sozinho, declarando-se imbecilmente um "presidente de guerra", apenas com a conivência da Inglaterra, da Polónia e dos srs. Aznar e Barroso, lançou os Estados Unidos numa guerra inútil, ilegítima e sem solução política à vista.
[...]


quinta-feira, agosto 12

"Uma salada, por favor" 

Hoje apetecia-me almoçar apenas uma salada, para compensar os quilos ganhos nos pequenos-almoços buffet do hotel. Resolvi experimentar o novo Menu Happy Meal para Adultos da McDonnald's, composto por uma salada, frango, "croutons" (cubos de pão tostado), bebida (escolhi água) e um brinde: um pedómetro, que conta os passos quando se anda. A senhora simpática que me atendeu ia meter tudo numa caixa de cartão, como nos Happy Meals infantis, mas eu disse-lhe que não era preciso, pois ia comer ali (pelos vistos fazem isso sempre, leve-se ou não a comida para fora).

Pedi uma esferográfica emprestada e rabisquei umas coisas enquanto comia. Quando acabei, deitei para o lixo o seguinte:

1 recipiente de plástico onde vinha a salada
1 tampa em plástico do recipiente da salada
1 saco de plástico onde vinha o molho da salada
1 saco de plástico onde vinham os croutons
1 garrafa de plástico
1 copo de plástico
5 guardanapos de papel
1 garfo de plástico
1 faca de plástico
1 saco de plástico que embrulhava os talheres
1 prospecto "todos os passos contam", tamanho aprox. A5
1 folha aprox. A4 com publicidade que servia de "toalha" do tabuleiro
1 saco de plástico que embrulhava o pedómetro e as instruções
1 saco de plástico que embrulhava individualmente o pedómetro
1 talão


Podia também ter enviado para o lixo:

1 caixa de cartão (que recusei)

Deitarei mais tarde no lixo:

1 pedómetro "Stepometer"
1 folheto com as respectivas instruções em 32 línguas, correspondente a 2 folhas A4.


Para quando um menu Happy Meal para adultos preocupados?

quarta-feira, agosto 11

Pedimos desculpa por esta interrupção, o blog segue dentro de momentos 

Cheguei de férias e ao tentar ler este blog ia sempre parar a uma página de um tal Sparclinux ou algo parecido. Que abuso, mesmo sendo Open Source. Só depois de umas maningâncias com o template pude resolver o problema. Nesta aba de todas as incertezas, faltava a incerteza de ainda se ter um blog.

quinta-feira, agosto 5

henri cartier-bresson 

morreu, aos 95 anos, um dos mais importantes e influentes fotógrafos de sempre_ fica uma obra vasta, marcante, singular_ e as saudades do homem do "momento decisivo"_ continua a agência que ajudou a fundar, a magnum_








fotografias de henri cartier-bresson


quarta-feira, agosto 4

fome global (pratos, cabeças e bolsos vazios) 

a malnutrição torna os pobres menos produtivos, logo para derrotar a pobreza, tem de ser derrotada primeiro a fome_

as pessoas nos países mais pobres são, em média, menos inteligentes que as dos países ricos! alguns de vocês podem ficar chocados por esta afirmação, por isso vou dizer isto de outra forma_ 800 milhões de pessoas não têm o suficiente para comer_ sem uma nutrição adequada, o corpo humano não se desenvolve normalmente_ isto inclui o cérebro_ aqueles que são sub-alimentados tendem a tornar-se fisicamente menos desenvolvidos (mais baixos, por exemplo) e com uma menor agilidade mental do que de outra forma poderiam ter sido_ a fome também leva a que milhões de crianças abandonem a escola de forma a procurarem comida, e aqueles que conseguem ainda assim ir à escola, apesar das barrigas vazias, concluem que é extremamente difícil concentrarem-se_ a má nutrição é então simultaneamente uma causa e uma consequência da pobreza_

mais informações (e soluções!) nos artigos
Empty bowls, heads and pockets e Food for thought

outros sites com informação útil:
World Food Programme, World Health Organisation, UN Food and Agriculture Organisation, Micronutrient Initiative, Famine Early Warning Network, International Food Policy Research Institute, World Bank's health, nutrition and population information



adaptado de artigo na revista "The Economist" de 29 de julho de 2004


segunda-feira, agosto 2

ao anoitecer na cidade a banhos 

O velhote estava dobrado sobre o carro e gritava. Ela parou rápido o carro e aproximou-se, aflita. Eu vinha atrás e vi tudo. Afinal estava escondido a pregar uma partida a outro velhote. Gritava "Óssôviitóóó!". Antes assim. Um velho gaiteiro, que ainda lhe arrancou um sorriso. "Óssôviitóoor!...

This page is powered by Blogger. Isn't yours? Weblog Commenting by HaloScan.com