<$BlogRSDUrl$>

terça-feira, setembro 23

as poucas palavras  

foi um dia, e outro dia, e outro ainda_
só isso: o céu azul, a sombra lisa,
o livro aberto_
e algumas palavras_ poucas,
ditas como por acaso_

eram contudo palavras de amor_
não propriamente ditas,
antes adivinhadas_ ou só pressentidas_
como folhas verdes de passagem_
um verde, digamos, brilhante,
de laranjeiras_

foi como se de repente chovesse:
as folhas, quero dizer, as palavras
brilharam_ não que fossem ditas,
mas eram de amor, embora só adivinhadas_
por isso brilhavam_ como folhas
molhadas_

eugénio de andrade, os sulcos da sede, 2001

Comments: Enviar um comentário
This page is powered by Blogger. Isn't yours? Weblog Commenting by HaloScan.com